Notícias
Missão: Educar para preservar vidas

Amigo certo nas horas incertas. O lema do Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais (CBMMG) retrata a missão da corporação: proteger e salvar. Entretanto, além de resgates heróicos e combates a grandes incêndios, os Soldados do Fogo empenham-se em estabelecer vínculos maiores com a comunidade por meio de iniciativas que reforçam laços e aumentam a confiabilidade dos mineiros.

Nesta reportagem você vai conhecer um pouco da atuação do CBMMG no chamado Terceiro Setor. Ações que foram bem aceitas e respaldadas pela comunidade e tornaram-se referência, tanto na Capital quanto no interior do Estado.

Profissão: Cidadania

Desenvolvido desde 2011, o programa Voluntários da Cidadania oferece a formação de Bombeiro Civil a jovens de 18 a 21 anos, em situação de conflito com a lei ou em risco social. O objetivo é aumentar as chances de inserção desses profissionais no mercado de trabalho, mas também formar cidadãos mais conscientes, integrados à sociedade e longe da criminalidade.

A ação é desenvolvida em parceria com a Prefeitura de Belo Horizonte, a Vara Infracional da Justiça da Infância e Juventude e os Centros de Referência e Assistência Social. Também é parceira no projeto a Fundação Guimarães Rosa, no recrutamento e seleção dos jovens, acompanhamento psicossocial e pedagógico e processos administrativos.

O curso tem duração de 240h/aula, coordenado pela Academia de Bombeiros Militar, e até o momento tem sido ministrado apenas em Belo Horizonte. Além das disciplinas teóricas e práticas para formação de bombeiros civis, os jovens tem noções de ética e cidadania, disciplina, hierarquia, direitos humanos e primeiros socorros e, no ano passado, foram inseridas no currículo também noções de salvamento terrestre e produtos perigosos. A prefeitura é responsável pelo pagamento de uma bolsa-auxílio, transporte e uniforme.

Um mergulho na prevenção de acidentes

Mais que a prática de um esporte, a natação também pode ser uma ferramenta para ajudar a prevenir os acidentes. Há mais de 30 anos, o Programa de Divulgação da Natação – Prodinata, oferece aulas para a comunidade. Conhecido como a “natação dos Bombeiros”, o projeto já criou história e é bastante disputado por quem nunca se aventurou nas piscinas e até mesmo por quem já sabe as técnicas mas quer se aprimorar.

Crianças a partir de sete anos e adultos podem se inscrever nas Unidades que oferecem a atividade que tornou-se uma estratégia do Corpo de Bombeiros para estimular a prática da natação e, consequentemente, diminuir o número de acidentes na água e os afogamentos.

ser médico”, planeja.

É proibido queimar

Uma turminha do barulho que com muitas brincadeiras consegue ensinar as crianças a importância de preservar o meio ambiente. O teatro de fantoches Turma do Foguinho, criado em 2007, encanta as crianças em apresentações bastante divertidas e com muita interação.

A troupe fica baseada no 4º batalhão, em Juiz de Fora, na Zona da Mata, mas percorre todo o Estado com a peça “ Não Brinque com o Fogo”, levando os ensinamentos e estimulando nas crianças a cultura da prevenção de acidentes, principalmente as queimadas.

As apresentações ganham reforço do boneco Foguinho, mascote do Corpo de Bombeiros. Em 2010, a iniciativa foi premiada com o IV Prêmio Qualidade da Atuação do Sistema de Defesa Social.

Alunos conscientes

“Prevenir é melhor que remediar”. O antigo ditado ganha força nas palestras realizadas pelo Corpo de Bombeiros em parceria com escolas públicas. Dois projetos desenvolvidos têm foco no binômio prevenção x educação.

No Bombeiro Mirim, alunos de escolas públicas são preparados os alunos para o enfrentamento de situações de emergência no campo da segurança contra incêndio e pânico. O público-alvo são crianças e adolescentes de 9 a 15 anos. Dentro das Unidades do Corpo de Bombeiros, eles recebem noções de prevenção contra incêndios, primeiros socorros, afogamentos e dos vários tipos de acidentes, dentre eles os domésticos, os de trabalho e os de trânsito.

Já no Bombeiros na Escola, as palestras são realizadas nas Unidades de Ensino em todo o Estado. A parceria já rendeu bons frutos, com relatos de professores que dizem constatar uma melhoria na sociabilidade e no rendimento dos alunos.

Arte pela vida

Eles são bombeiros e têm a missão de salvar vidas e para isso, além das técnicas tradicionais usam outros instrumentos: arte e talento. A Banda de Música e a Bombeiro Instrumental Orquestra Show (BIOS) vão além da simples diversão e cultura: levam noções de prevenção à população por meio da música.

As apresentações dos dois grupos são realizadas em caráter filantrópico em eventos sócio-culturais, entidades beneficentes e eventos públicos. A Banda de Música, uma das mais antigas e tradicionais do Estado é composta por cerca de 60 músicos e foi criada há 87 anos. Além dos dobrados militares presentes nas paradas, desfiles, solenidades cívicas e militares, e no dia-a-dia dos alunos da Academia de Bombeiros, os músicos participam de vários projetos culturais e apresentações beneficentes em Minas Gerais, levando a boa música associada ao nome da corporação.

Com um passado memorável, desde a sua criação, a banda procurou estabelecer um forte elo de relacionamento com a sociedade. Atualmente, a agremiação desenvolve projetos que buscam uma maior interação com a comunidade, entre eles, palestras e concertos que ajudam a divulgar a história da música. Outra iniciativa de sucesso são os Concertos de Vizinhança Solidária onde o ingresso das apresentações são alimentos e agasalhos que são doados a instituições de caridade. Às quartas-feiras, periodicamente, os músicos realizam ensaios abertos ao público, uma forma de divulgar o trabalho da agremiação.

Com formação mais recente, a Bombeiro Instrumental Orquestra Show (Bios) começou a ensaiar os primeiros acordes em 2006, sendo oficialmente criada em 2011. “A BIOS nasceu da ideia de criar um grupo menor que a Banda de Música para atender aos pedidos de apresentações feitos por diversas instituições”, explica o coordenador da orquestra, Subtenente Silas Buenos Aires.

Os músicos realizam um trabalho pioneiro e diferenciado em Minas Gerais, com apresentações voluntárias em escolas, asilos e outras instituições, com o objetivo de alertar e orientar sobre como evitar acidentes domésticos e incêndios. As dicas são entremeadas com um repertório que inclui MPB e clássicos da música internacional, com ritmos que passam do jazz à Bossa Nova.

Além de ser uma sigla do nome da orquestra, a palavra BIOS, de origem grega, significa vida, um bem cuja garantia é a principal missão do Corpo de Bombeiros. O slogan “Sintonia de Vida e Arte” complementa essa ideia de proteção.

alt

Voluntários da Cidadania investe na formação profissional para formar cidadãos

altBombeiro Orquestra Show: sintonia de vida e arte

alt

Bombeiro Mirim é desenvolvido em escolas da rede pública

Fonte:BMMG

Comentar

* campos obrigatórios