Notícias
PM encontra lista de policiais marcados para morrer em São Paulo

A Polícia Militar encontrou uma lista com nomes de policiais militares e civis que estariam marcados para morrer na capital paulista. A relação de nomes foi descoberta durante operação na comunidade Paraisópolis.

A nova informação ressalta a suspeita do chamado “código vermelho”, que prevê o assassinato de dois policiais a cada bandido morto na cidade. A Polícia Militar chegou a negar a existência do código vermelho e a Polícia Civil afirmou que todos os 86 casos de homicídio contra policiais estavam sendo investigados separadamente.
A lista foi encontrada com dois adolescentes que tentavam deixar a comunidade na noite dessa terça-feira, quando foram abordados pelos policiais. Juntamente à lista, a polícia encontrou informações sobre compra e venda de drogas na favela. De acordo com a PM, havia cerca de 40 nomes de policiais com informações sobre as características físicas, a rotina e até mesmo o endereço e fotografia de cada um deles. Os adolescentes foram apreendidos e a relação de nomes deve ser entregue ao Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP) que investigará o caso.
Segundo o Major Márcio Stereifinger, um dos resposáveis pela operação, a apreensão da lista pode não estar relacionada aos homicídios dos policiais, mas nenhuma hipótese é descartada. Ele afirma que durante os três primeiros dias da operação, 15 pessoas foram detidas, sendo três foragidas da Justiça e outras 12 supostamente envolvidas com o tráfico de drogas. A polícia também apreendeu nove armas, 120 kg de maconha, 15 kg de cocaína, uma granada de uso restrito e munição de armas de diversos calibres, inclusive de fuzil.
Sobre a onda de ataques e violência em SP, o major afirma que os esforços da PM estão em identificar os envolvidos em crimes na capital e descobrir o que está por trás dos homicídios. “ A PM está fazendo um trabalho de inteligência criminal para apurar os crimes e chegar aos suspeitos. Este trabalho não é imediatista, mas tem trazido soluções concretas” afirmou.
FONTE: UAI
Comentar

* campos obrigatórios