Notícias
Novos 78 cargos na Justiça Militar vão custar R$3,9 milhões

Depois de divulgar os supersalários de seus funcionários, o Tribunal de Justiça Militar enviou à Assembleia projeto prevendo a criação de novos cargos. A aprovação da matéria vai aumentar em R$3,9 milhões os gastos com a folha de pagamento, segundo estudo anexado pela Corte ao projeto.

Ao todo serão criados 78 novos cargos que vão gerar um acréscimo de R$290 mil por mês.
Novas vagas
O projeto cria dois novos cargos de diretor-executivo PJ85, que vão acarretar num custo mensal de R$27,9 mil. Também são instituídos dez novos cargos de gerência PJ77, que custarão aos cofres do tribunal R$103,9 mil por mês. Caso aprovado, o PL também cria mais 35 cargos efetivos da carreira de Oficial Judiciário, a um custo de R$75,6 mil por mês.
25 mil de lanche
O estudo apresentado aos deputados também traz o impacto com alimentação. Cada cargo acarreta num custo unitário de R$407 por mês com vale-lanche. Com a reforma no TJ Militar, o gasto mensal com os vales vai alcançar a cifra de R$25,2 mil. O projeto também traz a extinção de 12 cargos que custam R$2,2 mil e seis cargos de R$9,4 mil cada.
Justificativa
O PL 3.507 de 2012 promove uma reforma nas 1ª e 2ª instâncias do TJ Militar com base em uma consultoria feita pelo Instituto de Desenvolvimento Gerencial (INDG S/A).
Em sua justificativa encaminhada aos deputados, a presidência da Corte alega “aumento da demanda” e busca pela “eficiência” como motivos da reforma.
“Depois da reforma do Judiciário, quando teve sua competência ampliada, a Justiça Militar vem registrando um crescimento do aumento dos processos em tramitação”, registrou a presidência.
O TJ Militar argumenta, ainda, que as áreas jurídica e de comunicação carecem de pessoal especializado. A Corte também cria cargos para auxiliarem o trabalho dos auditores internos.
Supersalários
Como revelou o Hoje em Dia ontem, os vencimentos dos servidores do TJ Militar chegam a alcançar a cifra de R$162 mil em um único mês. Agentes técnicos de biblioteca, comunicação e almoxarifado receberam mais de R$50 mil líquidos por mês. De acordo com o tribunal, os altos valores são referentes a ações judiciais de cinco anos atrás.
FONTE: HOJE EM DIA
Comentar

* campos obrigatórios